Vacina brasileira: Butantan prevê 40 milhões de doses da Butanvac a partir de julho

Após o anúncio da Butanvac, vacina brasileira produzida pelo Instituto Butantan, uma entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira (26) deu mais detalhes sobre o imunizante. Um pedido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) será feito ainda hoje para iniciar os estudos clínicos com voluntários.

“Protocolaremos esse material ainda hoje e vamos dialogar intensamente com a Anvisa para que ela perceba a importância da autorização do início desses estudos clínicos o mais rapidamente possível, para que possamos em um mês e meio, dois meses e meio, terminar essa fase de avaliação clinica e iniciar a produção”, afirmou o diretor do Instituto, Dimas Covas.

A expectativa é que, uma vez obtida a autorização, os testes possam ser iniciados em abril. Desta forma, a produção em massa do imunizante teria início ainda em maio.

Segundo Dimas Covas, os primeiros estudos da vacina começaram a ser feitos há exatamente um ano, em março de 2020. O imunizante foi desenvolvido com matéria-prima brasileira e utiliza tecnologia similar à usada na vacina da gripe.

“Essa vacina será integralmente produzida aqui, nós não dependeremos de nenhum insumo, da importação de nenhum insumo, é uma tecnologia que já existe. Essa tecnologia é a mesma que é usada para a produção da vacina da gripe”, disse.

Resumo:
  • Obtida a autorização da Anvisa, testes começam em abril
  • Produção começa em maio e 40 milhões de doses podem ser entregues a partir de julho
  • Entregas serão feitas até o fim de 2021
  • A vacina será 100% brasileira
  • Pesquisa começou há exatamente um ano, no dia 26 de março de 2020
  • Butantan já tem em mãos os lotes necessários para começar os estudos clínicos
  • Tecnologia é a mesma da vacina da gripe, mais barata do que as outras vacinas anti-covid
  • Além de ser mais barata, tecnologia permite vacinação em apenas uma dose
  • Pedido de autorização se refere às fases 1 e 2 de testes da vacina, nas quais serão avaliadas segurança e capacidade de promover resposta imune com 1.800 voluntários.
  • Na fase 3, até 9.000 pessoas irão participar e a etapa vai estipular a eficácia.
Da Redação: NCN= Nossa Conexão News com CORREIO
Após o anúncio da Butanvac, vacina brasileira produzida pelo Instituto Butantan, uma entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira (26) deu mais detalhes sobre o imunizante. Um pedido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) será feito ainda hoje para iniciar os estudos clínicos com voluntários.  "Protocolaremos esse material ainda hoje e vamos dialogar intensamente com a Anvisa para que ela perceba a importância da autorização do início desses estudos clínicos o mais rapidamente possível, para que possamos em um mês e meio, dois meses e meio, terminar essa fase de avaliação clinica e iniciar a produção", afirmou o diretor do Instituto, Dimas Covas.   A expectativa é que, uma vez obtida a autorização, os testes possam ser iniciados em abril. Desta forma, a produção em massa do imunizante teria início ainda em maio.  Segundo Dimas Covas, os primeiros estudos da vacina começaram a ser feitos há exatamente um ano, em março de 2020. O imunizante foi desenvolvido com matéria-prima brasileira e utiliza tecnologia similar à usada na vacina da gripe.  "Essa vacina será integralmente produzida aqui, nós não dependeremos de nenhum insumo, da importação de nenhum insumo, é uma tecnologia que já existe. Essa tecnologia é a mesma que é usada para a produção da vacina da gripe", disse.  Resumo:  Obtida a autorização da Anvisa, testes começam em abril  Produção começa em maio e 40 milhões de doses podem ser entregues a partir de julho  Entregas serão feitas até o fim de 2021 A vacina será 100% brasileira Pesquisa começou há exatamente um ano, no dia 26 de março de 2020 Butantan já tem em mãos os lotes necessários para começar os estudos clínicos Tecnologia é a mesma da vacina da gripe, mais barata do que as outras vacinas anti-covid Além de ser mais barata, tecnologia permite vacinação em apenas uma dose Pedido de autorização se refere às fases 1 e 2 de testes da vacina, nas quais serão avaliadas segurança e capacidade de promover resposta imune com 1.800 voluntários.  Na fase 3, até 9.000 pessoas irão participar e a etapa vai estipular a eficácia.
Foto: Divulgação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: